CM 

Agora, sem desculpas

A PSP verá finalmente o seu trabalho reconhecido


Iniciámos o ano arrastando um conjunto de problemas, mas com a expectativa de que o atual cenário se alterará rapidamente.

A entrada em funções do governo e a nomeação de um dirigente da Polícia para o Gabinete do Primeiro-Ministro e outro como oficial de ligação no MAI é algo que nos garante que, por um lado, a família policial verá o fim das crónicas injustiças internas e o princípio de igualdade de tratamento entre categorias será uma certeza, o que muitas vezes não aconteceu, dizia-se, por desconhecimento da classe política. Por outro lado, a PSP verá finalmente o seu trabalho reconhecido e garantirá a dinâmica, qualidade e modernização genérica da Instituição e, sobretudo, a evolução de algumas mentalidades ainda agarradas ao passado.

É verdade que podemos, em momentos mais delicados, ter algumas dúvidas do papel que a ministra terá no plano da segurança interna, mas nada que a política, a seu tempo, não resolva.

No entanto, para a Instituição PSP e para os polícias, estas nomeações são motivo de orgulho e, nesse sentido, aproveito, com grande expectativa, para felicitar estes dois dirigentes da PSP pelos cargos que irão desempenhar nos próximos tempos.

Paulo Rodrigues, Presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia