CM 

Cumpram com a lei

"Não queremos acreditar que este governo defenda o nosso prejuízo"


Nos últimos anos, houve um conjunto de decisões governativas com influência considerável na dinâmica da PSP, nomeadamente o modelo de pré-aposentação e aposentação. Com as alterações de 2005 nas regras da pré-aposentação e, recentemente, com a aplicação da redução do valor das mesmas, houve prejuízos avultados para os profissionais e o funcionamento da instituição.

Ao longo dos anos, a média etária da PSP aumentou consideravelmente, o que levou os governos a colocar os polícias saídos da EPP nos vários Comandos do país durante um ano, como estágio. Esta medida tem pouco reflexo na dinâmica do Comando onde ficarão e prejudica gravemente os profissionais que estão há vários anos à espera de transferência.

Foi por isso que a ASPP/PSP exigiu ao anterior governo a passagem à pré-aposentação aos 36 anos de serviço e 55 de idade, e aos 60 para a aposentação, sem qualquer corte direto ou indireto no valor a receber. Infelizmente, este governo ignora a lei e o princípio que levou à criação dessas alterações.

Não queremos acreditar que o governo, defensor da legalidade, nesta matéria concreta, não cumpra a lei e defenda os prejuízos que isso causa a quem trabalhou a vida toda em prol da segurança pública.

Paulo Rodrigues, Presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia