CM 

Educar pelo futuro

"Não respeitar a polícia é semelhante a não respeitar o Estado"

Muitos ficaram estupefactos ao ver um grupo de indivíduos a agredir polícias, sem que estes tivessem margem de manobra para gerir, com autoridade, uma situação que poderia ter-lhes saído cara. Muitos esquecem que o polícia é um representante do Estado e que não respeitar a ordem de um polícia é semelhante a não respeitar o Estado.

Continuam a esquecer que agredir um polícia é agredir o Estado. E a consequência deste desrespeito deve preocupar-nos a todos, sejamos ou não polícias. Porque se estes são os primeiros a sofrer as consequências, depois toda a sociedade passará pelo mesmo.

Mas depois destas situações, que são frequentes, o que faz o Estado? O que fazem as entidades competentes, o que fazem aqueles que estão sempre à espera de apontar o dedo aos polícias, quando existe algo que possa sair do normalizado?

São estes cenários e o comportamento destes adolescentes que devem preocupar. É preciso responsabilizar os pais e não só pela parte da responsabilidade civil. Basta ir a um jogo de futebol para vermos os pais a incentivarem os filhos por vezes ainda pequenos a tomarem atitudes de desrespeito e agressividade contra tudo e todos. É este tipo de cidadãos que estamos a criar e a responsabilidade não é só deles.

Paulo Rodrigues, Presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia