CM 

Mais ação

Não basta assumir os problemas, o que precisamos é que sejam resolvidos.

Ouvimos, com frequência, os nossos governantes assumirem a necessidade de resolver problemas da PSP.

Na verdade, assumir o que é óbvio nem é assim tão difícil. Mais complexo é dar substância aos instrumentos para que a resolução não fique pela intenção. Das duas uma, ou há incompetência ou falta de vontade.

Foi neste contexto de difícil compreensão que a ASPP/PSP agendou uma ação que tem por objetivo entregar, no dia 20 de abril, um documento ao primeiro-ministro em que estarão referidas questões que podem ser resolvidas em poucos dias.

Ninguém compreende que os concursos de promoção abertos em 2016 não tenham sido concluídos. Ou que a lista de 800 polícias que reúnem os requisitos para a pré-aposentação não tenha ainda sido publicada.

É inaceitável que só os polícias que passaram à aposentação, à luz do novo Estatuto, estejam livres da aplicação do fator de sustentabilidade, sendo aplicado a outros que já estavam nessa situação.

 

 Paulo Rodrigues, Presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia