A delegação da ASPP/PSP de Aveiro tem mais um ano o prazer de agraciar os seus associados e respectivas famílias com uma convívio onde além de uma saborosa ementa. Antes do repasto foram os presentes convidados a fazer uma caminhada.
Seguiu-se com um concurso de sobremesas e a distinção dos associados com 15, 20 e 25 anos de ligação ininterrupta ao nosso sindicato.

 
 

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia – ASPP/PSP levou a efeito a conferência “Os polícias portugueses no centro dos novos desafios europeus” no dia 22 de Abril de 2016, no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL).

Com esta iniciativa, pretendeu-se abordar as raízes do terrorismo na Europa, bem como as políticas e a dinâmica de combate a este fenómeno que assola o continente europeu.

A abertura da Conferência ficou a cargo da ministra da Administração Interna, Dra. Constança Urbano de Sousa, sendo o painel de oradores composto por Dr. Simas Santos, Juiz-Conselheiro; Dr. Bernardo Colaço, Juiz-Conselheiro Jubilado do STJ; Dr. Hugo Dionísio, técnico superior de Saúde e Segurança no Trabalho; Professor Manuel Loff, historiador, investigador e professor universitário; Dr. Vasco Santos, advogado, e Gerard Greneron, Presidente Honorário do Conselho Europeu de Sindicatos da Polícia.

 

A ASPP/PSP mantendo-se fiel e honrando os pioneiros do sindicalismo policial vai levar a efeito diversas ações comemorativas do episódio que ficou internacionalmente conhecido como "Secos e Molhados".
Eventos comemorativos abertos a todos os públicos e com diversas intervenções de elementos que viveram os acontecimentos relatando-os na 1ª pessoa.
Comparece e revive

"Não se pode esperar a mesma resposta dos policias (a nível Europeu), aos mesmos desafios, com tratamentos desiguais."

A ASPP/PSP vai organizar uma conferência dia 27NOV, Quinta-feira, no fórum da Maia.
A necessidade de definir políticas emPortugal que nos permitam estar ao nível dos outros Países na resposta à criminalidade internacional, desde o terrorismo, à criminalidade violenta e às condições existentes na polícia está em discussão. Só é possível criar uma política transversal a toda a Europa se o reconhecimento do desgaste rápido, da adequação do vencimento, da celeridade de progressão, promoção na carreira ou mesmo da qualidade socioprofissional for também ela transversal a todas as polícias na Europa. Não se pode esperar a mesma resposta dos policias, aos mesmos desafios, com tratamentos desiguais. Não se pode esperar a mesma motivação de um policia em Portugal quando é injustiçado na sua carreira constantemente...

 

Cartaz Conferência